Seção: Palestras

Livro: Ação e Reação – Parte IV – Vários Casos de Resgate Envolvendo Sexo, Divórcio, Aborto, Gravidez

I – Revisão

Vimos que André Luiz e Hilário estão estagiando numa instituição localizada nas regiões densas da dimensão “mundo espiritual”.

Nesta instituição, receberam diversas lições sobre a lei de ação e reação, conhecida também como lei do carma.

Verificamos que resgatados os débitos da vida passada, em regra, buscaremos resgatar débitos de outras vidas do pretérito, até que atinjamos o nível de sublimação da mente suficiente para ascender às dimensões mais sutis do “mundo espiritual”.

Semana passada analisamos a fase que alguns estão atingindo de estabilidade cármica, ou seja, passar a vida física atual sem cometer erros graves e ainda resgatando débitos de outras vidas e diminuindo vícios externos da mente.

Entendemos, também, que existem organizações e escolas destinadas a ensinar técnicas de obsessão para os espíritos vingativos.

Nestas escolas é ensinado que todos nós temos reflexos condicionados cristalizados na mente, ou seja, todos possuímos pensamentos dominantes em nosso íntimo. Da mesma forma que no espírito evoluído este pensamento é de luz, na pessoa violenta é de agressão, no avarento de avareza, no viciado em sexo de pornografia e assim sucessivamente.

Diagnosticada a diretriz maior de nossos pensamentos, de cunho inferior, espíritos maléficos passam a estimular, sugerir persistentemente e superalimentar o nosso desvario mental, inclusive com a aproximação de espíritos doentes que alimentem os mesmos anseios, ou seja, comungam com este tipo de pensamento, alocando-os em nossa esfera mental para que recebamos diuturnamente tais estímulos inferiores.

Terminamos os estudos com a história de vida de Silas e Druso. Hoje veremos vários casos de resgaste, para fixarmos bem como funciona a lei de ação e reação.

II – Débito Expirante

Foram até um hospital, em local destinado a atender indigentes.

Foram recebidos por diversos trabalhadores do plano extrafísico.

O assistente do local, informou Silas de que Leo estava no fim de suas resistências.

Leo estava prestes a desencarnar em razão da tuberculose.

Apesar da doença, Leo mostrava tranquilo e resignação.

Mesmo sofrendo muito com a doença que castigava o corpo físico, Leo mantinha-se sereno, a ponto de quase perceber a presença do grupo de André Luiz.

André Luiz iniciou conversa mental com Leo, que respondia crendo estar conversando com os próprios pensamentos.

Afirmou saber que a desencarnação estava próxima e que nada temia.

Leo afirmava que se Jesus suportou graves chagas mesmo sem merecê-las, logo, ele não poderia reclamar das dificuldades que passava, afinal, era ainda um espírito pecador.

Leo era católico.

A vida de Leo:

– pais desencarnaram cedo;

– seu irmão, em razão de seu estado de saúde frágil, tornou-se seu tutor;

– seu irmão transformou-se em verdugo cruel;

– tomou-lhe todos os bens e o internou num hospício;

– sofria pelo desequilíbrio mental que possuía desde criança;

– quando mais equilibrado, conseguiu deixar o hospício;

– o irmão não o deixou voltar para casa;

– desesperado e sem rumo, conseguiu emprego de vigia;

– no frio das noites seguidas, desenvolveu a grave doença;

– Leo afirmou não guardar magoas do irmão, afinal, se Jesus, crucificado rogava proteção aos agressores, como ele poderia julgar o irmão?

A reencarnação de Leo foi tutela pela Mansão.

Silas explica que após o estudo teórico na Mansão, o espírito necessita reencarnar para exercitar a prática.

Na vida passada, Leo foi herdeiro de grande fortuna e possuía irmão com problemas mentais. Para assumir controle de toda a herança, rapidamente afastou o irmão.

Gostava de oferecer grandes festas em sua bela casa, possuindo enorme vergonha do irmão, o qual era proibido de participar.

Mas como o irmão não atendia aos pedidos, em razão de seus problemas mentais, Leo providenciou espécie de cadeia no fundo da casa, onde aprisionava o irmão.

Após gastar parte de sua fortuna, passou a desejar a morte do irmão para ficar com sua herança. Porém, o irmão possuía ótima saúde, sofrendo apenas de bronquite.

Buscando abreviar a vida do irmão, Leo determinou que o irmão fosse deixado ao relento durante as noites.

Mas o irmão resistia.

A fortuna do irmão era administrada por amigos da família, conforme desejo do pai.

Sem mais poder esperar, liberou dois escravos para fuga e enterrou uma adaga no coração do irmão.

A culpa caiu sob os escravos fujões e, assim, Leo assumiu a fortuna do irmão.

O irmão assassinado, demonstrando superioridade moral, perdoou as ofensas e não quis vingança.

Mas o remorso passou a atormentar Leo e ele tornou-se refém de espíritos inferiores.

Após vagar muitos anos desencarnado sob faixas densas do plano espiritual, foi socorrido pela Mansão e, recuperado, buscava o resgate necessário.

Explicação de como a dívida é resgatada.

“Quando nossas dores não geram novas dores e nossa aflição não cria aflições naqueles nos rodeiam, nossa dívida está em processo de encerramento”.

Leo adormeceu e aguardavam a presença de espíritos com legitimidade para fazer o desligamento.

III – Resgate Interrompido

Acompanhando Silas, André Luiz e Hilário passaram a acompanhar o caso de Ildeu.

Ildeu era casado com Marcela e possuía três filhinhos, quais sejam, Roberto, Sônia e Márcia.

Porém, apesar do amor de Marcela, Ildeu era constantemente assediado por Mara, moça leviana e inconsequente.

Marcela suportava a mudança de jeito do marido, que passou a ser mais rude e flagrou algumas cartas de amor.

Marcela cuidava dos filhos e suportava o marido chegando sempre tarde da noite, com sinais da traição.

Quando Marcela pedia dinheiro para cuidar das crianças, Ildeu começava a berrar, amaldiçoando o casamento.

Ildeu maltratava Marcela.

O filho pequeno, Roberto, quando tentava consolar a mãe, era agredido pelo pai, sofrendo xingamentos e ameaças de morte.

Porém, quando as duas filhas choravam, Ildeu transformava-se, mesmo estando embriagado, afirmando permanecer na casa somente por elas.

Apesar das intervenções de Silas, André Luiz e Hilário, a situação na casa permanecia preocupante.

Fascinado pela amante, Ildeu passou a odiar Marcela.

Diante deste cenário, Ildeu passou a pensar em matar Marcela.

Para tanto, começaria a tratar Marcela bem, ganhando sua confiança novamente. Após alguns dias, a mataria com um tiro no coração.

Ildeu permanecia com ideia fixa no crime.

Silas, para defender Marcela, que era amparada pela Mansão, reforçou o serviço de vigilância na casa. Dois outros companheiros passaram a ajudar a vigiar a residência.

“De alma aturdida pela influência de homicidas desencarnados que lhe haviam percebido os pensamentos expressos, intentaria Ildeu aniquilar a companheira naquela mesma noite”.

Com ajuda de outros trabalhadores, Silas afastou as influências inferiores.

Apesar disso, os pensamentos de Ildeu eram fixos.

Ildeu permanecia no escritório da casa, tramando meticulosamente o crime.

Silas, utilizando de poder magnético, trouxe uma das filhas, desdobrada, para presenciar o pai naquele cenário, em que projetava a cena do crime planejado.

Com o choque da cena visualizada por ela, a criança acordou gritando e pedindo para o pai não matar a mãe.

Neste momento, Ildeu já estava na porta do quarto, com a arma na mão.

Com os gritos da criança Marcela acordou e flagrou Ildeu com a arma em punho.

Marcela, inocente, não suspeitou das intenções do marido; na verdade, pensou que ele queria se matar e ressaltou que não deveria fazer isso, que se quisesse, deveria montar nova casa para morar com a amante.

Aquele gesto de Marcela sensibilizara Ildeu.

Aproveitando o cenário narrado por Marcela, Ildeu falou que para ele só seria possível o suicídio ou o desquite.

Sob influência de Silas, Marcela descarregou a arma e voltou a dormir, chorando e orando para Deus iluminar seu caminho.

Silas, por meio de passes magnéticos, acalmou Marcela e depois a auxiliou no desdobramento, iniciando então conversação em que, após acalmá-la, Silas afirmou que ela deveria sim liberar o marido.

Silas confortou-a, afirmando que para pessoas dignas sempre haverá o amparo da Providência Divina.

No caso de Ildeu e Marcela, são duas almas em reajustes.

Na vida passada também foram marido e mulher.

Ildeu seduziu duas moças na vida passada, duas irmãs e ainda as levou ao meretrício. Abandonou a esposa, ela (Marcela) que, depois de 5 anos, veio a se envolver com outro homem.

Depois de vários anos, voltando para casa e encontrando a ex-mulher com outro, não suportou ver a felicidade dela e matou o companheiro dela (o atual filho).

Na vida espiritual, com auxílio de emissários do bem, planejaram reencarnação, com Ildeu como responsável pela família em razão dos débitos passados.

Marcela aceitou ser sua esposa e ajudar nos resgates necessários.

Silas explicou porque Ildeu aceitou casar com Marcela novamente.

“(…) é preciso considerar que nos achamos ainda longe de adquirir o verdadeiro amor, puro e sublime. (…). Por isso mesmo, a nossa afetividade terrestre, quando na primavera dos primeiros sonhos da experiência física, pode ser um conjunto de estados mentais, consubstanciando simplesmente os nossos desejos.”

“Nessa ou naquela idade física, o homem e a mulher, com a supervisão da Lei que nos governa os destinos, encontram as pessoas e as situações de que necessitam para superarem as provas do caminho, provas indispensáveis ao burilamento espiritual de que não prescindem para a justa ascensão às Esferas Mais Altas. Assim é que somos atraídos por determinadas almas e por determinadas questões, nem sempre porque as estimemos em sentido profundo, mas sim porque o passado a elas nos reúne, a fim de que por elas e com elas venhamos a adquirir a experiência necessária à assimilação do verdadeiro amor e da verdadeira sabedoria. É por isso que a maioria dos consórcios humanos, por enquanto, constituem ligações de aprendizado e sacrifício, em que, muitas vezes, as criaturas se querem mutuamente e mutuamente sofrem pavorosos conflitos na convivência uma das outras. Nesses embates, alinham-se os recursos da redenção.”

Silas explica que Ildeu está rompendo a programação de vidas e que Marcela receberá toda ajuda possível para manter o lar.

Assim, temos que, o casamento é realmente programação de vida e que devemos lutar para preservá-lo. Porém, mesmo que não seja o caso extremo desta história (querer matar o cônjuge), quando a infelicidade domina a relação e não é possível suportar o convívio, do qual resultem danos de gravidade tanto para o casal como, principalmente, para a prole, o divórcio passa a ser caminho legítimo.

Devemos fixar meio termo. Não é correta a separação por qualquer briga ou desentendimento, porque isso é natural na vida de duas pessoas. Mas não podemos considerar como correta a manutenção do casamento quando a convivência pacífica se torne extremamente complicada, impossível de ser mantida com serenidade, acarretando prejuízos para os cônjuges e seus filhos.

IV – Algumas questões sobre o Sexo, Gravidez e Aborto

Após o socorro realizado, Silas passou a explicar algumas questões sobre o sexo em nosso estágio de evolução.

“(…) enquadrando-o na esfera das concessões divinas que nos cabe movimentar com respeito e rendimento na produção do bem”. (…). O sexo no corpo humano é assim como um altar de amor puro que não podemos relegar à imundice sob pena de praticar as mais espantosas crueldades mentais, cujos efeitos nos seguem, invariáveis, depois do túmulo…” (p. 261).

E ressalta (p. 264):

“(…) Na perseguição ao prazer dos sentidos, costumamos armar as piores ciladas aos corações incautos (ingênuos) que nos ouvem… (…). Esses abusos são responsáveis não apenas por largos tormentos nas regiões infernais, mas também por muitas moléstias e monstruosidades que ensobram a vida terrestre, porquanto os delinquentes do sexo, que operaram o homicídio, o infanticídio, a loucura, o suicídio, a falência e o esmagamento dos outros, voltam à carne, sob o impacto das vibrações desequilibrantes que puseram em ação contra si próprios, e são, muitas vezes, vítimas da mutilação congênita, da alienação mental, da paralisia, da senilidade precoce, da obsessão enquistada, do câncer infantil…”

Silas explica que é natural o espírito permanecer séculos em determinado sexo.

Isso ocorre porque a pessoa se enxerga desta forma, logo seu corpo mental modula seu corpo espiritual como homem (ou mulher), determinando o sexo do corpo físico.

Mas quem abusa do outro sexo, nasce nele para aprender a valorizá-lo. Vejamos (p. 266):

“(…), em muitas ocasiões, quando o homem tiraniza a mulher, furtando-lhe os direitos e cometendo abusos, em nome de sua pretensa superioridade, desorganiza-se ele próprio a tal ponto que, inconsciente e desequilibrado, é conduzido pelos agentes da Lei Divina a renascimento doloroso, em corpo feminino, para que, no extremo desconforto íntimo, aprenda a venerar a mulher como sua irmã e companheira, filha e mãe, diante de Deus, ocorrendo idêntica situação à mulher criminosa que, depois de arrastar o homem à devassidão e à delinquência, cria para si mesma terrível alienação mental para além do sepulcro, requisitando, quase sempre, a internação em corpo masculino, a fim de que, nas teias do infortúnio de sua emotividade, saiba edificar no seu ser o respeito que deve ao homem, perante o Senhor.”

Aproveitando o assunto, Hilário pergunta a respeito dos casais que evitam ter filhos. Vejamos (p. 267):

“Hilário: (…), como interpretar a atitude de casais que evitam os filhos, dos casais dignos e respeitáveis, sob todos os pontos de vida, que sistematizam o uso de anticoncepcionais?”.

“Silas: Se não descambam para a delinquência do aborto, na maioria das vezes são trabalhadores desprevenidos que preferem poupar o suor, na fome do reconforto imediatista. Infelizmente para eles, porém, apenas adiam realizações sublimes, às quais deverão fatalmente voltar, porque há tarefas e lutas em família que representam o preço inevitável de nossa regeneração. Desfrutam a existência, procurando inutilmente enganar a si mesmos, no entanto, o tempo espera-os, inexorável, dando-lhes a conhecer que a redenção nos pede esforço máximo. Recusando acolhimento a novos filhinhos, quase sempre programados por eles antes da reencarnação, emaranham-se nas futilidades e preconceitos das experiências de subnível, para acordarem, depois do túmulo, sentindo frio no coração…”

Após, Hilário perguntou sobre o aborto provocado, afirmando crer tratar-se de uma falta grave. Vejamos o que o Silas ensinou (p. 268):

“Falta Grave?! Será melhor dizer doloroso crime. Arrancar uma criança ao materno seio é infanticídio confesso. A mulher que promove ou que venha a coonestar semelhante delito é constrangida, por leis irrevogáveis, a sofrer alterações deprimentes no centro genésico de sua alma, predispondo-se geralmente a dolorosas enfermidades, quais sejam a metrite, o vaginismo, a metralgia, o enfarte uterino, a tumoração cancerosa, flagelos esses com os quais, muita vez, desencarna, demandando o Além para responder, perante a Justiça Divina, pelo crime praticado. É, então, que se reconhece rediviva, mas doente e infeliz, porque, pela incessante recapitulação mental do ato abominável, através do remorso, reterá por tempo longo a degenerescência das forças genitais”.

 

V – Exercícios Mentais e Práticas

Estes exercícios mentais e práticas edificantes visam despertar nossa atenção para a necessidade de alterar nossos hábitos, ajudando em uma efetiva reforma íntima.

Até agora, os exercícios mentais e as práticas edificantes que sugerimos para todos fazermos durante a semana são:

1 – Afastar todo e qualquer pensamento não edificante durante o dia a dia;

1.1           – Evitar “perder a razão” (estado de cólera, raiva);

1.2           – Indignar-se com serenidade e razoabilidade;

1.3           – Exercitar a indulgência (capacidade de compreender e não divulgar defeitos alheios);

1.4           – Não se queixar da vida, evitar reclamações diárias e negativismos/evitar pessimismo;

1.5           – Não criticar o próximo, não julgar;

1.6           – Não se ofender (compreender o outro);

2        – Sempre que passar por alguém emitir bons pensamentos (principalmente para pessoas claramente necessitadas);

2.1           – Fazer pequenas gentilezas a quem está próximo;

2.2           – Participar de algum programa de caridade;

2.3           – Cultivar o otimismo sempre;

2.4           – Cultivar a tolerância com as diferenças e erros alheios;

3        – Meditar cinco minutos por dia, ao menos três vezes na semana, preferencialmente antes de orar e preferentemente antes de dormir;

4        – Leitura diária de mensagens curtas e edificantes, de preferência quando acordar e antes de dormir, de preferência antes de meditar/orar;

5        – Cultivar o Evangelho no Lar uma vez na semana;

6        – Perseverar;

7        – Estabelecer um hábito angular (hábito novo em sua vida, como deixar de ingerir alcoólicos, iniciar prática de exercícios, largar o cigarro, etc) e exercitar ao máximo o autocontrole dos atos cotidianos;

8        – Ser discreto (adotar a discrição sobre nossas vidas particulares);

9        – Analisar criticamente os estímulos recebidos, seja de nosso inconsciente, seja de espíritos encarnados e desencarnados.

10     – Zelar pela saúde do corpo físico.

11     – Orar diariamente.

 

5 Comentários

Artemisa { 16 de novembro de 2013 às 19:26 }

Olá Breno considero seu site ótimo, preenche e enriquece muito a minha alma. Gosto da doutrina espírita e quero sempre aprender. No momento não posso visitar a um centro, porém sempre estou buscando algum estudo pela internet. Gostaria de encontrar um site ou um grupo de estudo onde eu pudesse e devesse assumir um estudo por semana, por exemplo: eu fiz um tratamento espiritual virtual de 12 semanas da fraternidade francisco de assis – casa Bezerra de Menezes, foi maravilhoso, aprendi muito…Será que você poderia me orientar, gostaria de encontrar um site no qual pudesse assumir toda semana um estudo na seara espiritual…desejo crescer na doutrina espírita.

Breno Costa { 17 de novembro de 2013 às 23:59 }

Olá!
Olha, sinceramente, eu não conheço!
Mas, se descobrir eu te aviso.
De outro lado, sugiro que, assim que possível, frequente um centro espírita. É muito importante estar em contato com os trabalhadores desencarnados de um centro espírita!
Abraços,

Marcia Galetti PIRES { 25 de outubro de 2018 às 12:55 }

Oi Artemisia, existem vários sites de evangelização infanto juvenil que são excelentes para estudos. São aulas sobre os mais diversos assuntos da Doutrina Espírita e bem fáceis de entender para quem está começando um estudo.
Gosto muito do http://www.searadomestre.com.br

Marcia Galetti PIRES { 25 de outubro de 2018 às 13:03 }

Começou neste mês de Outubro de 2018 no canal Cultura Paulista um programa com o nome Esferas da Vida.
Você pode também assistir pelo Facebook. É muito bom.

Marcia Galetti PIRES { 25 de outubro de 2018 às 13:05 }

Parabéns Breno Costa pelo seu artigo. Muito bom mesmo.
Que você possa continuar sempre instruindo muita gente.

Deixar um Comentário

Mensagens
Palestras todas as terças-feiras às 20:00 hrs no Núcleo Espírita - Amor e Paz
Rua Coronel José Bráz, 682 - Marília / SP

Clique aqui para ver a localização no mapa
| Clique para entrar em contato