Seção: Exercícios Mentais

Aula 08 – Indignar-se com serenidade e de forma construtiva

Hoje proporemos um novo exercício mental que ajudará no fortalecimento de nossa mente e, consequentemente, na realização da reforma íntima. Recomenda-se estudar todos os exercícios mentais propostos, porque ele se completam!

*

 Hoje aprenderemos:

“Indignar-se com serenidade e de forma construtiva”

A indignação pode ser uma legítima forma de se expressar.

André Luiz explica no Livro Entre a Terra e o Céu (fls. 170/180): “A indignação é necessária para marcar a nossa repulsa contra atos deliberados de rebelião ante as leis do Senhor”.

Porém, é necessário tomar cuidado ao se indignar.

Primeiro, não devemos ficar indignados por qualquer motivo, por qualquer bagatela.

Segundo, indignar-se não pode ser uma desculpa para “perdemos a razão”. Lembram-se do início destes estudos, o que acontece e os prejuízos quando ficamos no estado de cólera? Pois bem, não podemos ficar indignados com algum fato e “perder a razão”, ficar no estado de cólera, ira, raiva, violência, etc.

Vejamos mais estas lições contidas no livro “Entre a Terra e o Céu” (fls. 170/180):

Assim como a administração da energia elétrica reclama atenção para a voltagem, precisamos vigiar a nossa indignação principalmente quando seja imperioso vertê-la através da palavra, carregando a nossa voz tão-somente com a força suscetível de ser aproveitada por aqueles a quem endereçamos a carga de sentimentos”.

é indispensável modular a expressão da frase, como se gradua a emissão elétrica!”.

Nunca deve arrojar-se à violência e jamais deve-se perder a dignidade de que fomos investidos”.

Precisamos, assim, de muita cautela com a palavra, nos momentos de tensão alta do nosso mundo emotivo, a fim de que a nossa voz não se torne gritos selvagens ou considerações cruéis que não passam de choques mortíferos que infligimos aos outros, semeando espinheiros de antipatia e revolta que nos prejudicarão a própria tarefa”.

Dessa forma, temos que indignar-se é legítimo e pode ocorrer sim em nosso dia a dia. Porém, devemos aprender a indignarmo-nos mantendo o padrão vibratório alto, apenas falando o necessário e sem agredir ninguém. A partir de hoje, vamos tentar aplicar isso em nosso dia a dia.

 

Por enquanto:

1º – Afastar todo e qualquer pensamento não edificante.

2º – Sempre que passar por alguém emitir bons pensamentos. Lembrando que o segundo exercício mental propõem que nós enviemos boas vibrações para pessoas na rua, ambiente familiar, ambiente de trabalho, pessoas que nós não possuímos afinidade.

3º – Meditar por CINCO minutos, ao menos três vezes na semana. Preferencialmente, meditar todos os dias por cinco minutos. Preferencialmente, orar antes. Preferencialmente, antes de dormir (principalmente para quem tem insônia).

4º – Evitar o descontrole emocional (raiva, cólera, ira, etc).

5º – Paciência – Esperar 1 minutos antes de ficar impaciente.

6º – Indignar-se com serenidade.

6 Comentários

sandra mota { 13 de março de 2014 às 22:30 }

Temos sempre que refletir nossas açoes para sabermos como agir!!Esse texto é muito esclarecedor!!!Valeu a ajuda!!!!

ANA PAULA { 8 de julho de 2014 às 23:32 }

estou passando por momentos dificil ,mas derrepente comecei a ler esta pagina de exercicios mentais e cheguei a conclusão que não devemos deixar pra manhã o que podemos fazer hoje e é isso que irei fazer !

ANA PAULA { 8 de julho de 2014 às 23:37 }

CONSEGUI REFLETIR E CLARIAR MEUS PENSAMENTOS

Breno Costa { 9 de julho de 2014 às 9:51 }

Perfeito Ana Paula, isso mesmo.
Até porque, se esforçando e trabalhando no bem, a infinita misericórdia de Nosso Pai age e nos ajuda.
Abraços,

claudia lucia da silva { 14 de dezembro de 2014 às 12:21 }

Obrigada
Deus o abencoe

Francisca { 29 de abril de 2015 às 12:12 }

Obrigada!!!

Deixar um Comentário

Mensagens
Palestras todas as terças-feiras às 20:00 hrs no Núcleo Espírita - Amor e Paz
Rua Coronel José Bráz, 682 - Marília / SP

Clique aqui para ver a localização no mapa
| Clique para entrar em contato